Microsoft doa softwares para os participantes da 8ª Olimpíada Solidária de Estudo

A Microsoft está apoiando a Olimpíada Solidária de Estudo 2010 e vai distribuir softwares do Programa DreamSpark gratuitamente, para os estudantes que forem às bibliotecas participantes do projeto para converterem suas horas de estudo ou leitura em solidariedade, e com isso, beneficiar o Projeto Garatuja, realizado em São Sebastião, DF.

            A Olimpíada Solidária de Estudo começou no dia 5 de novembro e se estende até o dia 5 de dezembro, mobilizando mais de 100 mil estudantes no mundo e mais de 10 mil no Brasil.

            Neste ano são 15 países participando da Olimpíada. No Brasil são 34 bibliotecas cadastradas, distribuídas por 12 cidades. Quem comparecer a uma dessas bibliotecas durante o período de realização da Olimpíada para ler ou estudar por pelo menos uma hora, vai ganhar os softwares da Microsoft.

            O Programa DreamSpark permite aos estudantes fazer downloads gratuitos e usar os produtos Microsoft para desenvolvimento, desenho e criação de games gratuitamente. De acordo com Marinês Gomes, Gerente geral de programas acadêmicos da Microsoft Brasil, “a Olimpíada incentiva a educação e a leitura através de uma ação solidária. A Microsoft considera importante dar apoio a essa iniciativa e, por isso, disponibiliza seus softwares para alavancar o potencial criativo dos estudantes participantes e colocá-lo no caminho de uma carreira acadêmica de sucesso, avançando o seu aprendizado em design, tecnologia, matemática, ciência e engenharia”, diz.

            Os números de participantes e de horas estão superando as expectativas nessa 8ª edição da Olimpíada. Em apenas 12 dias, o projeto já contabiliza 117 mil horas, resultantes da contribuição de 24 mil estudantes solidários. No Brasil, foram contabilizadas 10.200 horas e 4.080 participações. Entre as bibliotecas nacionais com maior destaque estão: a do IESB – Instituto de Educação Superior de Brasília (1.621 horas), seguida da UFF – Universidade Federal Fluminense (1.314 horas) e da USP – Universidade de São Paulo (1.258 horas). O Brasil encontra-se em terceiro lugar em relação ao número de horas doadas, atrás da Espanha (61.937 horas) e do México (24.877).

Os resultados obtidos até o momento estão atingindo os objetivos da Olimpíada: incentivar o estudo e a leitura e mobilizar para a solidariedade. "O crescimento do projeto, tanto no Brasil quanto no mundo, é significativo, neste mesmo período em 2009, nós tínhamos 5.041 horas e agora estamos com 10.200 horas no Brasil, 102% a mais”, explica Andréa Gomides, diretora do Instituto Ekloos, ONG que organiza o projeto no Brasil.
            A dinâmica da Olimpíada é igual em todos os 15 países envolvidos: para cada hora de estudo ou leitura dos voluntários, nas bibliotecas credenciadas, os patrocinadores do projeto doam 1 Real para ajudar um projeto social, na área de educação. Esse ano, o Brasil selecionou o Projeto Garatuja, que oferece reforço escolar e aulas de dança para 100 crianças de São Sebastião-DF.  As horas excedentes vão para a construção de 4 escolas no Haiti. Para identificar as bibliotecas participantes acesse o site: www.olimpiadasolidaria.com.

Apoio

Patrocínio     

Organização
 Instituto Ekloos (no Brasil),  Coopera, Cooperation Internacional e ACTEC (no exterior). 

Postagens mais visitadas deste blog

Dicas para definir o Objetivo Geral e Objetivos Específicos de um projeto

Passo a passo: Como criar uma ONG